segunda-feira, 2 de maio de 2016

PREOCUPANTE ARTIGO DO DR. FRANKLIN CUNHA


 

UM SISMO DEMOGRÁFICO  E ECONÔMICO QUE SE APROXIMA

 
Franklin Cunha

Médico

Membro da Academia Rio- Grandense de Letras

 

A diminuição das taxas de natalidade que se verifica em todo o mundo,mas especialmente nos países ricos e em paralelo com o aumento da expectativa de vida, estão a nos levar a uma verdadeira implosão demográfica de dimensões comparáveis a um sismo demográfico mundial. Este terremoto demográfico entre 2020 e 2050 atingirá os países ocidentais, os quais até agora gozaram de uma grande prosperidade econômica causada pela explosão populacional dos anos sessenta.

A diminuição acentuada e irreversível das taxas de natalidade conjugada com o envelhecimento das populações, já produzem alterações importantes não somente na vida econômica, cultural, na organização do ócio, nas políticas de saúde, aposentadorias e pensões,  na organização  e administração das cidades e finalmente na desertificação populacional do campo.

Os países ricos que já sentem os efeitos do referido sismo, adotaram medidas contra a acentuada implosão demográfica e promovem a natalidade, retardo da idade de aposentadoria, aumento da produtividade  pela escassa população jovem e abriram, ( agora com seletividade), as portas para a imigração. Tudo em vão, pois já se prevê que estas medidas serão apenas procrastinadoras. Nem sequer o deslocamento das atividades econômicas de menor tecnologia para os países que ainda estão livres deste sismo demográfico – México, Brasil, China, Turquia, Indonésia – solucionará os graves problemas políticos, sociais e os econômicos.

E o mais pessimista dos horizontes políticos, econômicos e sociais, aponta que o mesmo terremoto populacional atingirá os referidos países dentro de três décadas. No Brasil, as taxas de natalidade caíram cerca de 6,3  para 2,3 filhos por mulher nos últimos quarenta anos, fenômeno que na França demorou 150 anos. No RGS as taxas de natalidade já estão abaixo da reposição populacional ( 1,6 filhos) e como consequência   o número de gaúchos é o mesmo há duas décadas e logo começaremos a nos despovoar.

A pergunta que os planejadores sociais devem se fazer é qual será a nova ordem econômica global que deverá ser instituída para se evitar os graves  problemas previstos?

Como a explosão demográfica neomalthusiana não mais acontecerá, torna-se óbvio que a humanidade deverá adotar novos e urgentes padrões de produção e consumo. As fontes de energia, de alimentos, de água, de minerais têm prazo para se esgotar. O consumo  destes insumos básicos não pode continuar e nem podem  ser fruídos de forma irracional como até agora o foram. 

A poluição e o aquecimento ambiental já produzem seus efeitos maléficos e segundo um estudo britânico, se constituirão num desastre global que resultará em gastos de 7 trilhões de dólares que não se sabe quem e como se pagará.

Recente película do senador Al Gore,  mostra dados aterradores do  que acontecerá em breve em nosso planeta como conseqüência de nosso estilo de vida, de nossos hábitos de consumo e da péssima distribuição mundial de renda. Recomenda ele que nos acostumemos a viver mais frugal e parcimoniosamente quanto ao consumo de energia, água  e comodities e cita alguns  países que já adotaram esse estilo de vida, de pobreza digna porém mantendo bons níveis de saúde e educação.

domingo, 1 de maio de 2016

DO APODERAMENTO DA COISA PÚBLICA ( RES PUBLICA) . COMENTÁRIO DO ESCRITOR E INTELECTUAL FROILAM OLIVEIRA

Na concepção do Estado republicano, era este um dos grandes dilemas de Montesquieu na Europa e dos Federalistas norte-americanos: como dispor o poder de forma a melhor preservar os interesses da sociedade contra interesses particulares de quem a representa funcional e temporariamente?
No Brasil, em todos os âmbitos (do municipal ao federal), desenvolveu-se uma cultural política (para não falar vício) de os cofres públicos é uma fonte inesgotável que sacia as paixões daqueles que os controlam, principalmente para assegurar a própria permanência no poder. Nesse aspecto, a reeleição é um mal, que vai de encontro ao instrumento idealizado por Madison para impedir o império das paixões humanas no exercício do poder político (as eleições regulares). 
Transcrevo a postagem do Ruy, parabenizando-o pela clareza e concisão de seu pensamento. É de lamentar que a verdade fique no plano ideal, da crítica, sem transformar a realidade (que continua tal e qual). 

sábado, 30 de abril de 2016

DO APODERAMENTO DA COISA PÚBLICA

Um dos maiores problemas que ocorre em algumas regiões do RGS e em boa parte do Brasil é a falta de esclarecimento do povo acerca de seus direitos ante a Administração Pública.
E, em contrapartida, o Administrador se achar o dono do " feudo" em que se instalou.
Com décadas e décadas de práticas vedadas e ilegais, parte da população começa a achar normal o favorecimento, a nomeação sem concurso, o desvio de finalidade. Acha linda a festa feita com seu dinheirinho ( se esquece que,ao comprar um artigo, parte é de impostos).
A iniciativa privada, onde há controles e horários, bem como metas a cumprir, passa a não mais interessar. Interessa a " boquinha".
Isso, talvez, ajude a explicar o atraso de umas regiões e a pujança de outras.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

UNISTALDA - COISAS ESTRANHAS NA BOLSA FAMÍLIA


Minha formação familiar,moral e ética sempre me guiou no sentido de não pactuar com coisas  erradas. Mas, por igual, presumir inocentes as pessoas, até prova em contrário.

Li a relação das pessoas que recebem a Bolsa Família em Unistalda.Vamos deixar claro:

- acho uma boa  a  Bolsa família, para quem necessita e só enquanto necessita

-esse dinheiro é de nossos impostos; esse dinheiro é de todos nós.

- esse dinheiro não pode servir para politicagem, em detrimento de quem realmente dele precisa.

Anotem dez  vezes: não sou contra a Bolsa Família. Sou contra Secretários Municipais ou gestores irresponsáveis que malversam esse dinheiro.

Lendo a relação, vejo pessoas que não moram  em Unistalda, vejo nomes que participam da Administração Municipal, vejo gente que não necessita da Bolsa.

E faltam, na lista, pessoas que dela necessitam.

Não quero ver Unistalda num programa de TV sendo exposta ao escárnio público.

Não sei o que passa na cabeça de algumas pessoas, brincam com fogo, se sentem inatingíveis.

Parece que acham que o Ministério Público não vai tomar providências.

Repito: o dinheiro é  da União ( de todos nós); que bom, ficamos felizes!
Mas é para os pobres e não para politicagem.
Vejam a relação aqui
http://bolsa-familia.com/pessoas/rio-grande-do-sul/unistalda/1/1/1

PRIMEIRA GEADA DO ANO NA ESTÂNCIA, em Unistalda



Talvez essa geada possa prejudicar algumas culturas, mas estava bem na hora de vir. Serve para eliminar alguns parasitas que incomodam os animais, como moscas do chifre, carrapatos, etc.
E, como dizem, para  desentocar os ponchos e palas.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

AGRADÁVEIS VISITAS EM NOSSA CASA DE P. ALEGRE



Hoje Maristela e eu  preparamos um almoço bem caseiro, consistente de arroz com linguiça pura de porco, costela de novilha da Pecuária Gessinger, massa, moranga caramelada e feijão com pezinhos de porco.
Vieram nos visitar o Conselheiro Marcos Peixoto, o Deputado Bianchini e os advogados Júlio Prates e Fernanda Gindri.
Muita troca de idéias o que sempre é salutar.

QUANDO SE VENDE UM SONHO - POR SILVIO AYMONE GENRO


QUANDO SE VENDE UM SONHO

Tobias vendeu sua gaita
Pra pagar o bolicheiro ...

- Trocou o tom da sua vida,
Por uns trocos de dinheiro!

Vendeu um pedaço dele
Pra honrar a sua parte,
Pois lhe negaram o sonho
De viver da sua arte.

Ficou um gaiteiro sem gaita,
E uma gaita sem gaiteiro ...
- Tobias vendeu sua alma
Pra pagar o bolicheiro!

Quando viu que seu ofício
Não sustentava a família ...

- Tobias vendeu sua gaita,
Como quem entrega uma filha!

Entre o som suave da gaita
E os piás chorando de fome ...
- A arte alimenta a alma!
(mas arte a gente não come).

Tobias vendeu sua gaita,
Pra nenhum piá ser gaiteiro
E ter que vender seus sonhos
Pra pagar o bolicheiro!

- Se depender do Tobias,
Sua arte não deixa herdeiros ...

Escondida pela poeira,
Qual traste sem serventia,
Num canto da prateleira
Jaz a gaita do Tobias ...
Com silêncios por dentro
E vazia de melodias,
Sem quem folheie seus foles,
Virou uma mercadoria ...

- Parece um livro fechado,
Feito a alma do Tobias.


 

domingo, 24 de abril de 2016

A FEIRA DE TERNEIROS E VAQUILHONAS DE SANTIAGO RS


Em qualquer lugar  a Feira é uma festa.
O Parque de Santiago é aprazível, reproduz uma estância .
Apesar de ter vendido particularmente toda minha produção, fui ao evento.
Havia  animais de boa qualidade, um dia lindo, muito lindo, ontem.
O início do remate deu-se pontualmente, o que me parece muito importante.
Antes , pela manhã, houve palestras.
No almoço compartilhei a mesa com o dr. Da Luz e a Diretoria do Sindicato Rural. Durante a sobremesa conversei com dezenas de produtores rurais, todos querendo saber como vão as coisas em Unistalda,
Também charlei longamente com Guilherme Bonotto, pré candidato a Prefeito de Santiago e vi, de relancina, o pré do PP, que não me conhece, mas a quem dei um  Boa Tarde.
Desobedecendo ordens de minha patroa, Dona Maristela, que é louca de pão dura e certa nas contas, aproveitei um momento de distração dela e comprei  um lote de novilhas Brangus, " capa de Revista", por um preço que ela achou muito caro. Ao que lhe redargui que qualidade não têm preço. Quando ela foi olhar o lote, opinou que tirassem duas fêmeas que não eram bem  definidas Brangus, na verdade Angus, boas, mas Angus. E não  é que tinha razão?
. O dono concordou em retirar as duas.
Essa é a Super Maristela Genro Gessinger. 
Eu ando meio infantilóide . Mas é que me comovi com o jeito que as pessoas me trataram lá no Parque. É carinho demais para um homem de cabelos tordilhos.
Até alguns ruídos de coisas passadas no Sindicato, que hoje vejo foram de falta de traquejo meu, vi que desapareceram.
( imagem ilustrativa)

sábado, 23 de abril de 2016

PECUÁRIA GESSINGER VENDE TODA SUA PRODUÇÃO DE TERNEIROS PARA O GRUPO GARCIA DE GARCIA


Para nossa satisfação fizemos negócio, pelo terceiro ano consecutivo, com a família Garcia de Garcia, cujo patriarca é o dr. Armando e administrador seu filho dr. Francisco ( na foto).
O Grupo têm várias fazendas espalhadas por este mundo de Deus.
Conheci o dr. Armando muitos anos atrás na Expointer, na casa da Pampa. Ví um senhor muito altivo e simpático, servindo carne nas mesas. Pois era nada mais e  nada menos do que o megaprodutor dr. Armando Garcia de Garcia.
Nossos terneiros são cruzados Angus e Brangus. O mais pesado deu 250 kgs. Criado a campo, note-se bem.

quinta-feira, 21 de abril de 2016

DUAS IMPLICANCIAZINHAS MINHAS

Amigos radialistas e outros menos votados passam dizendo:
MAIORIA SIMPLES É A METADE MAIS UM.
Olhem o que o Ministro Brossard, falecido, me mandou numa carta psicografada:

Metade  de 10 é 5;mais um é seis.Mas e se forem 11? Metade é 5,5; mais um é 6.5!

O que fazer com a metade do cara que foi cortado ao meio?

Então: maioria simples é o número inteiro imediatamente superior à metade.

Saudações Celestiais,

Brossard
..................................................................
Ouço numa rádia poderosa que um cara sozinho acertou na mega sena.
E as dezenas sorteadas foram: 1, .....Bah, vou ter que devolver meu diploma do Curso Primário.  Eu pensei que 1 era unidade e não dezena!!
Acho que está na hora de eu ir para o céu. Adeus mundo cruel.

terça-feira, 19 de abril de 2016

LANÇAMENTO DE TAILOR DINIZ



 

 

LANÇAMENTO:

Mistério no Centro Histórico

 

Dublinense lança novo romance policial de Tailor Diniz, que traz

mais um desafio para o detetive Walter Jacquet

 

Walter Jacquet está de volta. O personagem de Crime na Feira do Livro desembarca em Porto Alegre e reencontra Joãozinho Macedônio, agora um aspirante a escritor e participante de oficinas literárias. Entre charutos e doses de uísque, os amigos iniciam uma rodada de avaliação da novela produzida por Macedônio, baseada no caso real da recente explosão no Centro Histórico da Capital. Instigado pelas falhas da história, Jacquet resolve ir além da literatura e parte para uma investigação que envolve terroristas da fronteira, policiais e a esfera política gaúcha, chegando a uma reviravolta digna do gênero policial clássico.

 

Mistério no Centro Histórico, de Tailor Diniz, será lançado pela Dublinense no dia 27 de abril de 2016 (quarta-feira), a partir das 19h30min, na Livraria Cultura, em Porto Alegre.

 

Mesmo diante do medo e das negativas de Macedônio – especialmente por ver seu original invalidado a cada investigação do amigo –, Jacquet segue no encalço de pistas e suspeitos, realizando suas próprias entrevistas e desconfiando até mesmo da atuação dos órgãos responsáveis. Com uma trama fluida e envolvente, Tailor Diniz usa criatividade e raciocínio lógico para mesclar escrita criativa e investigação policial, garantindo risos e tensão. Mistério no Centro Histórico é uma homenagem ao gênero.

 

Tailor Diniz tem 15 livros publicados, entre eles Transversais do tempo (2007, Prêmio Açorianos de Literatura – Melhor Livro de Contos), Crime na Feira do Livro (2011, finalista do Prêmio Açorianos de Literatura e lançado em alemão na Feira do Livro de Frankfurt), A superfície da sombra (2012, lançado na Bulgária e adaptado para o cinema pelo diretor Paulo Nascimento) e Em linha reta (2014, semifinalista do Prêmio Oceanos de Literatura). Além de se dedicar à literatura, escreve roteiros para cinema e tevê, com obras premiadas nos festivais de cinema de Gramado e de Brasília.

 

A editoraA Dublinense foi criada em 2009 com o objetivo de formar um catálogo eclético. Os valores que norteiam a editora são o apuro com a palavra e o cuidado gráfico. A linha editorial da Dublinense está direcionada principalmente para os gêneros tradicionais da literatura de ficção, mas compreende também livros de negócios, ensaios, relatos e esportes. Seus sócios e idealizadores são Gustavo Faraon e Rodrigo Rosp.

 

A lista completa de pontos de venda dos livros impressos e eletrônicos da Dublinense pode ser consultada no site www.dublinense.com.br. 

 

 

 

 

LANÇAMENTO DE MISTÉRIO NO CENTRO HISTÓRICO, com sessão de autógrafos do autor.

Data e horário: 27 de abril de 2016 (quarta-feira), a partir das 19h30min

Local: Livraria Cultura – Bourbon Country (Av. Túlio de Rose, nº 80 – Porto Alegre – RS).

 

Preço: R$ 36,90 (exemplar) / Romance policial / Formato: 14 x 21 cm / 160 páginas / ISBN 978-85-8318-075-3

segunda-feira, 18 de abril de 2016

RECALL POLITICO, OU REFERENDO REVOCATÓRIO OU ABBERUFUNGSRECHT



 

Quatro anos é muito tempo. Que dirá 12 anos como o caso de um prefeito  que só vai como um caminhão atolado, puxado a trator. Crime, crime, não chega a cometer, mas é um desastre sua administração.

Daí porque se alguém observa que se enganou ao eleger um inapto, ou malfeitor, é injustiça ter que esperar que termine seu mandato, daninhando e desviando verbas.

Pronto: algumas nações estabeleceram o recall político. O gestor não precisa de ser acusado de roubalheira, basta que incorra nas hipóteses previstas em lei e um mínimo de eleitores se insurja.

Mediante regras estabelecidas, mete-se-lhe um recall nele e se aborta o período de mandato.

Veja-se o caso de nossa Presidente.

Como não temos parlamentarismo, que também é complicado,  como não há uma gravação ou filmagem que a mostre  em atitude criminosa,( tenho-a como honesta) a inventiva brasileira ( como  fez criando o cheque pre datado) descobriu o recall heterodoxo.

Dona Dilma não deu certo, há desemprego, desespero, estradas em frangalhos, o dólar subindo, empreguismo, corrupção, fazer o que? Esperar o Titanic afundar com os músicos tocando o" Mais perto do meu Deus", lá na proa já na vertical?

A saída foi o Recall político, sem referendo revocatório e nem abberufungsrecht , que é o instituto alemão.

O nome é  impedimento, mas a essência é o recall político.

Estarei em erro, como dizia o Ministro Brossard?

PECUÁRIA GESSINGER DE UNISTALDA FEZ BONITO NO CRIOULAÇO



Meus parabéns aos laçadores que representaram , não só nosso estabelecimento, mas a própria Unistalda.
Muito obrigado!

sábado, 16 de abril de 2016

O TEXTO DE JULIO PRATES E O INCÊNDIO DE UNISTALDA


 

 

Lí o panfleto distribuido em toda a Unistalda e também  o blog do dr. Prates.

Leiamos o que diz o blog :

 


O vizinho município de Unistalda foi altamente bombardeado por milhares de panfletos contendo nome de pessoas beneficiadas pela política do atual prefeito Ribeiro e, em meio, a graves acusações. Graves mesmo.

O impacto, devido a forma didática como o texto foi apresentado, é grande, pois é tudo muito bem explicadinho. 

Não sei as providências tomadas pela administração no sentido de desmentir ou de editar o contraponto. Só fui informado que um grupo independente vai pedir averiguação das acusações no Ministério Público eleitoral.

.......................

Digo eu, agora:

Quem mora em Unistalda sabe que:

- pelos termos usados, uma pessoa culta  redigiu a matéria;

- pelos detalhes e minúcias, só pode ter sido alguém que conhece as entranhas da gestão do Município; fogo amigo?

Custo a crer que o que ali se contém seja verdade. Não é possível que tanta irregularidade tenha sido praticada. Para não se dizer outra palavra.

É.. dirão, mas é um documento apócrifo.

Sim. Mas incumbe que o M.P. de Santiago dê uma olhada nisso.

E é bom que também o Dr.  Geraldo Da Camino, do   M.P. do Tribunal de Contas; a Procuradoria dos Prefeitos, da 4ª. Câmara Criminal do TJRS tenham conhecimento e, conforme o caso, outras instâncias.
Se for verdade o que o panfleto afirma, dane-se o panfleto, vale a auditoria oficial a ser realizada.  É como um telefonema anônimo para a Polícia, dizendo onde está um criminoso. Dane-se o telefonema, importa o criminoso algemado.
É como uma carta anônima dizendo onde estão os seqüestradores. A Polícia vai lá e já não importa se a pista foi dada pela carta.

Quero bem a pessoa do gestor mencionado nos panfletos. Eu lamentaria muito ver  ele ser condenado a ressarcir os cofres públicos. Ou outras graves conseqüências.

Quem  sabe ele  revê suas ações. Ou vem a público negar o uso eleitoreiro dos minguados pilas dos cofres da municipalidade. Cuidado, nobre senhor: ainda há juízes em Berlim, por mais que Unistalda seja distante.
 Cuidado que também devem ter os beneficiários das eventuais manobras. Não é só o ordenador da despesa que leva ferro, o beneficiário entra no baile também. Leram bem? Os apaniguados vão ter que devolver também. E responder como  co-réus.